Um passeio na São Paulo de Piratininga

0 Criado por admin  |   Dicas,História  |   11 de August de 2015  |     268

A cidade de São Paulo, um das maiores megalópoles da América do Sul, pólo do capital financeiro, da conexão com o mundo globalizado quase nunca é lembrada por seu patrimônio histórico. No centro da cidade restam os edifícios mais antigos de uma São Paulo de Piratininga, que dificilmente estão nos roteiros turísticos. Fundada em 1554 por um grupo de jesuítas na área do Pátio do Colégio as construções que dariam origem à cidade serviam para guarnecer os portugueses contra possíveis ataques indígenas e também facilitar o acesso ao rio Tamanduateí, que servia de conexão com o sertão da colônia.

A pequena vila em 1585 contava com cerca de 600 brancos e possuía 120 casebres feitos de taipa ou alvenaria rudimentar. Os moradores, bastavam-se com o cultivo da, a subsistência da mandioca e do trigo e a captura de indígenas do interior, que lhes serviam de escravos. A miscigenação era muito forte pela própria escassez de mulheres vindas do reino e a língua falada era uma variante do tupi desenvolvida pelos jesuítas que estavam na colônia.

Os mais abastados de Piratininga gastavam suas rendas na busca das potenciais riquezas do sertão. Esse é o caso de Fernão Dias Paes Leme, que ajudou a edificar o famoso Mosteiro de São Bento no centro da cidade, e que aos 73 após atacar e escravizar diversos aldeiamentos jesuítas no Tape (RS) e Itatim (MS) morreu no interior da colônia acreditando ter encontrado esmeraldas. Seu corpo foi trazido pelos paulistas e hoje está sepultado com o de sua esposa no interior do Mosteiro de São Bento.

Esse é somente um exemplo de como a história da vila de Piratininga se confunde com a própria expansão portuguesa na colônia e de como ela deixou registros na cidade moderna. Para ver e conhecer mais acesse os links abaixo:

Visita on line no mosteiro de São Bento

http://mosteiro.org.br/?page_id=21

Páteo do Collégio

http://www.pateodocollegio.com.br/sys/principal/

Casas do período colonial

http://www.museudacidade.sp.gov.br

Comentários

Deixe um Comentário